Não é racismo um preto se insurgir contra um branco!!!

Não é racismo um preto se insurgir contra um branco, diz ministra da promoção da igualdade racial brasileira.

Mais um caso de racismo contra brancos desta vez incentivado pela ministra brasileira que é responsável pela promoção da igualdade racial.

Casos destes são as centenas, em que o facto dos pretos terem sido escravos serve de desculpa para que possam ter mais direitos do que os brancos, bem como os maltratar e ainda dizerem o que lhes apetece sem que a lei seja aplicada de modo igual.

A ministra por sinal também preta reflecte precisamente a podridão do povo negro, que nada fizeram em prol da sua raça, muito menos contribuíram para o desenvolvimento da humanidade, mas mesmo assim acham-se no direito de se apoderar de tudo e serem desculpados dos seus actos racistas.

A ministra Matilde Ribeiro, titular da Secretaria Especial de Política da Promoção da Igualdade Racial (Seppir), diz que considera natural a discriminação dos negros contra os brancos.

Em entrevista à BBC Brasil para lembrar os 200 anos da proibição do comércio de escravos pelo Império Britânico, tido como o ponto de partida para o fim da escravidão em todo o mundo, ela disse que “não é racismo quando um negro se insurge contra um branco”.

“A reacção de um negro de não querer conviver com um branco, eu acho uma reacção natural. Quem foi açoitado a vida inteira não tem obrigação de gostar de quem o açoitou”, afirmou.

Ribeiro disse que ainda vai demorar até que as políticas públicas implantadas nos últimos anos comecem a dar resultados concretos e diminuam a diferença económica e social entre as populações branca e negra do país.

“Ainda temos muito o que fazer”, afirma, enumerando acções que já começaram, como na área de educação e saúde.

Ela diz que, embora a abolição da escravatura tenha chegado atrasada ao Brasil, hoje o país tem uma das legislações mais avançadas do mundo em relação a direitos iguais, mas ainda falta uma mudança de postura da sociedade.

Ver a reportagem na integra: Aqui